Clube do Vinho

Vamos conhecer melhor os vinhos escolhidos por Manoel Beato para o mês de Março. Somente vinhos franceses selecionados especialmente para o Clube:

Latour-Martillac - 1999

Produtor: Château Latour-Martillac

Safra 1999
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pessac-Léognan
Volume 750ml
Uvas Cabernet Sauvignon | Merlot | Petit Verdot
Temp. de Serviço 16º – 18º
Álcool 13%

No sul da Margem esquerda bordaleza situa-se a denominação Pessac-Léognan, onde é elaborado o Chateau Latour Martillac, um Grand Cru Classé exemplar da região. Propriedade familiar e tradicional esse Chateau elabora tintos dos mais equilibrados. Sem a potência dos Medoc ou o veludo dos Merlot da Margem Direita, aqui os vinhos na sua assemblage das variedades da região, propõe um vinho encorpado sem muito extrato ou densidade, um vinho aerado e fresco desde a juventude, mas que com o envelhecimento, como é o caso deste, ganha uma complexidade que lhe confere aromas dos mais ricos e textura das mais tenras.”

Bordeaux é uma das mais importantes regiões produtoras de vinho da França, está localizada em torno de 500 Km a Sudoeste de Paris. Pessac-Leognan é uma área vitivinícola e Appellation d’Origine Contrôlée, na parte norte da região de Graves de Bordeaux, na margem esquerda do Rio Garonne e consiste em 8 comunas: Mérignac, Talence, Pessac, Gradignan, Villenave-d´Ornon, Cadaujac, Léognan e Martillac. Ao contrário da maioria das denominações de Bordeaxu, Pessac-Léognan é igualmente famoso tanto para os vinhos tintos quanto para os vinhos brancos, embora o vinho tinto ainda seja predominante. Na maior parte da região de Péssac-Leognan o solo é em sua maior parte é de cascalho.

Château Latour Martillac toma o nome da torre do século 12 que fica em sua entrada. A vinha encontra-se numa bela cascalha perto da aldeia de Martillac. Adquirido por Alfred Kressmann em 1930, a propriedade é agora administrada por seus descendentes, Tristan e Loïc Kressmann, juntamente com os melhores consultores de Bordeaux. O rótulo original projetado por Alfred Kressmann e seu filho Jean em 1934, e, na época, inspirado no movimento Art Deco, é usado ainda hoje nas garrafas do Château Latour Martillac. Em dezembro 1936, a Wine and Spirit Benevolent Society of London escolheu a safra de 1934 para servir na celebração de coroação do rei da Inglaterra George VI.

O Chateau Latour-Martillac é feito com um blend de Cabernet Sauvignon, Merto e Petit Verdot. As vinhas são plantadas em um solo arenoso e de cascalho. A colheita das uvas é feita manualmente e, então, são desengaçadas e separadas. O envelhecimento ocorre durante 15 a 18 meses em barricas de carvalho, um terço das quais são renovados a cada ano. Somente as melhores uvas são usadas para fazer o Latour-Martillac, enquanto as vinhas mais jovens são usadas para fazer o Lagrave Martillac.

Frederic Cossard Volnay - 2015

Produtor: Frederic Cossard

Safra 2015
País França
Região Borgonha
Volume 750ml
Uvas Pinot Noir
Temp. de Serviço 15º – 17º
Álcool 13,5%

Conheci Frederic Cossard – Domaine Chassornay – há uns quinze anos quando ele assesorava um grande negociante da Bourgogne e tive a oportunidade de provar seus projetos pessoais de grande envergadura. Anos mais tarde voltei à sua vinícola, no dia que antecedia seu casamento e tive a oportunidade de participar de um churrasco a oar livre com o que há de mais nobre para essas ocasiões: Bourgogne brancos e tintos.
Nos anos que se seguiram pude acompanhar a evolução qualitative deste maestro, com os vinhos que chegavam ao Brasil.
Hoje não resta dúvida de que ele está entre os melhores da região e, ainda que num estilo particular, elaborar tintos à altura de um Dujac, um Rousseau ou um Leroy, como prova este esplêndido Volnay 1 cru, concentradadmete floral e frutado, já deliciosamente pronto para ser aberto decantado e saboreado, ainda que possa evoluir amaciando seus taninos e abrindo ainda mais seu leque aromático.”

Borgonha é uma região localizada a 260km a Sudoeste de Paris. Sua maior e principal cidade é Dijon. Outra cidade muito importante é Beaune, localizada no coração da região. Borgonha tem sua história difundida junto da história dos vinhos na França, os monges cistercienses foram os responsáveis por demarcarem a região, trabalho que durou séculos. As propriedades da região são geralmente muito pequenas, e os vinhos são produzidos em pequenas quantidades, sendo a região mais cara na média de preços de vinhos em toda a França. Volnay é uma comuna francesa em Côte de Beaune, na Borgonha, que obteve seu status de denominação controlada em 1937. O vilarejo de Volnay está situado ao sul de Beaune e suas denominações vizinhas são Pommard e Meursault. O terroir de Volnay contém uma alta proporção de calcário, muitas vezes com uma superfície de marga.

Frederic Cossard é um produtor de vinho natural que iniciou seu domaine, juntamente com sua ex sogra, em 1996. Ele agora planta as uvas e produz seus vinhos em uma fazenda de 7 hectares (todos alugados), fazendo seu vinho em Saint-Romain. Ele começou sua carreira no comércio de leite e depois trabalhou por um tempo como comerciante de vinhos antes de decidir produzir seus próprios vinhos. Frederic quando fundou seu domínio colocou o nome de Domaine de Chassorney visto que Cossard significa “não muito corajoso” e não seria um nome bem visto. Começou com uma instalação alugada em Saint Romain, depois comprou uma casa com uma adega na aldeia em 1998, onde fez seus vinhos até se mudar para a vinícola atual, também na aldeia. Em janeiro de 2010, o enólogo de quem comprava as uvas de Pommard e Volnay por 5 anos decidiu parar sua atividade e pediu-lhe para levar suas vinhas, oportunidade que não foi recusada. A propriedade duplicou a sua área, recuperando parcelas de Volnay, Pommard, Volnay 1er Cru Carelle capela, Volnay 1er cru Roncerets, Volnay 1er cru Lurets e Pommard 1er Cru Pezzerolles.

Cossard procura trabalhar da forma mais natural possível em relação à terra e as videiras, isto é não utiliza fertilizantes químicos ou herbicidas. Os tratamentos contra as doenças são feitos somente com enxofre, flor de enxofre e mínimas doses de cobre. A colheita das uvas para a produção do Volnay é inteiramente manual e realizada por uma equipe de somente 20 pessoas. Para a vinificação dos vinhos utiliza-se uvas inteiras e não há adição de leveduras. O envelhecimento ocorre em barricas de carvalho por um período de 12 a 15 meses antes de serem engarrafados.

Verget Pouilly Fuisse Les Combes Vieilles Vignes - 2016

Produtor: Maison Verget

Safra 2016
País França
Região Borgonha
Sub-Região/Apelação Pouilly-Fuisse
Volume 750ml
Uvas Chardonnay
Temp. de Serviço 12º – 14º
Álcool 14%

O Domaine Verget abrange vinhos de várias denominações borgonhesas abrangendo parcelas do Maconnais no sul a Chablis ao Norte da Bourgogne. No entanto, a origem se dá justamente na região do Maconnais de onde vem este Pouilly Fuissé. Verget foi criado em 1990 por Jean-Marie Guffens, um dos primeiros produtores que puseram esta denominação num patamar de qualidade mais elevado rivalizando seus vinhos brancos com os de renomadas denominações como Puligny Montrachet e Meursault. Coincidentemente, conheci Jean Marie Guffens há mais de quinze anos na mesma viagem em que conheci Cossard, produtor presente nesta seleção de Março do nosso Clube. Foi nesse dia que pude provar e me encantar com seus brancos volumosos, aveludados, intensos de sabor, e complexos. Verget seguiu nessa linha, considerando que o bom vinho se faz com as melhores uvas, por isso a seleção rigorosa no que plantam e no que colhem.”

Borgonha é uma região localizada a 260km a Sudoeste de Paris. Sua maior e principal cidade é Dijon. Outra cidade muito importante é Beaune, localizada no coração da região. Borgonha tem sua história difundida junto da história dos vinhos na França, os monges cistercienses foram os responsáveis por demarcarem a região, trabalho que durou séculos. As propriedades da região são geralmente muito pequenas, e os vinhos são produzidos em pequenas quantidades, sendo a região mais cara na média de preços de vinhos em toda a França. Pouilly-Fuissé é uma denominação (AOC) para o vinho branco na sub-região Mâconnais, Borgonha, localizada nas comunas de Fuissé, Solutré-Pouilly, Vergisson e Chaintré. Pouilly-Fuissé tem a Chardonnay como a única variedade de uva permitida. A AOC foi criada em 11 de setembro de 1936. A área costumava ser conhecida simplesmente como “Pouilly”, mas quando as leis de AOC foram introduzidas, foi dividida em três: Pouilly-Fuissé, Pouilly-Loché e Pouilly-Vinzelles.

Quando criou Verget em 1990, Jean-Marie Guffens aplicou as mesmas regras do que para sua própria produção. A filosofia de Verget pode ser resumida em uma frase simples: “o melhor vinho vem das melhores uvas”. Este ditado elementar é a pedra angular da Verget. Assim sendo, em Mâconnais, Chablis ou Cote d’Or, os melhores vinhedos e as melhores terras são selecionados para produzir vinhos de altíssima qualidade.
O principal lema de Guffens é revelar todas características do vinho extraindo o máximo do seu terroir. O Domaine Verget implementou com sucesso este processo há algum tempo nas regiões de Chablis e Côte d’Or. Mas em Maconnais, que historicamente produziu vinhos genéricos, essa abordagem tem ganhado bastante relevancia. É aqui que a Verget produz a maioria dos vinhos por denominação.

O Chateau Potensac é um excepcional vinho de Medoc, apelação de Bordeaux situada no coração da margem esquerda do Rio Gironde. É avaliado como um Cru Borgeois Exceptionnels de Medoc, classificação muito importante na região. A propriedade de 84 hectares é constituída por maior parte de Cabernet Sauvignon e Merlot, sempre uma das uvas é predominante no vinho, variando de acordo com a safra. Em 1995 a Cabernet Sauvignon é majoritária, com 46% do blend. O restante é dividido em 35% Merlot e 19% Cabernet Franc.
A principal característica do Potensac é ser um vinho elegante, o produtor costuma falar que é o mais puro sangue de Medoc. Costuma ter grande poder te guarda, podendo envelhecer evoluindo por décadas.

Associe-se agora mesmo!

Abertura com:

Somente 75 assinaturas

Inscrições por telefone:

+55 (11) 3150.5555

Associação mínima por:

3 meses