Total: R$0,00

Os melhores rótulos de Pomerol reunidos em um só jantar.

O RIO DE JANEIRO FOI O PALCO DO MELHOR JANTAR HARMONIZADO DO BRASIL.

A Clarets convida você para conhecer como foi V Wine Dinner: Pomerol na Cidade Maravilhosa, que aconteceu dia 13 de Março no Fasano do Rio de Janeiro.

Pela primeira vez no Brasil foram reunidos em um único jantar, os melhores rótulos da cidade francesa de Pomerol.

Confira imagens do V Wine Dinner Clarets.

“SAIBA TUDO SOBRE O V WINE DINNER”
Um evento que marcou a inauguração da unidade Clarets no Rio de Janeiro.

“O FASANO”

A famosa tradição gastronômica familiar está presente no Fasano al Mare. Sob o comando de Rogério Fasano, a cozinha é dirigida pelo chef Paolo Lavezzini, que explora os mais diversos aspectos da cozinha mediterrânea, com foco especial em peixes e frutos do mar.

O primeiro projeto de Philippe Starck no Brasil faz do Hotel Fasano Rio de Janeiro o endereço mais fascinante da orla de Ipanema. Entre os atrativos está a piscina de borda infinita que se debruça sobre a praia, tendo como cenário o Arpoador, o Morro dois irmãos e o Corcovado. O projeto reverencia o espírito da arquitetura e do design brasileiro dos anos 1950 e 1960 e homenageia a gloriosa época da Bossa Nova.

“CHEF PAOLO LAVEZZINI”

Em dezembro, Paolo Lavezzini assumiu o cargo de chef executivo do Fasano Al Mare, casa à beira-mar do grupo que se tornou sinônimo de excelência gastronômica, responsável por dezessete estabelecimentos na capital paulista, no Rio, em Brasília, em Punta del Este e em Porto Feliz, interior do estado de São Paulo, onde fica o Hotel Fazenda Boa Vista. Natural da região da Emilia-Romagna, no centro-norte da Itália, Lavezzini foi indicado pelo antecessor Luca Gozzani, hoje no comando da matriz do Fasano, o restaurante italiano mais sofisticado da capital paulista. É a segunda vez que Gozzani passa o bastão para o compatriota. Quando se mudou para o Rio, em 2007, foi Lavezzini que preencheu sua vaga de subchef na Enoteca Pinchiorri, endereço em Florença cotado com as três estrelas máximas no Guia Michelin. Com passagem também pelo restaurante do chef Alain Ducasse no Hotel Plaza Athénée, em Paris, e de depois de chefiar a cozinha do luxuoso Hotel Plaza e de Russie, no balneário toscano de Viareggio, Lavezzini se diz realizado.

Por que decidiu vir pro Rio?

Meu sonho era conhecer o Rio e ter um quiosque à beira da praia de Copacabana. Quando o Luca Gozzani ia deixar a cidade para assumir o Fasano em São Paulo, ele me ligou pedindo uma indicação de um chef para substitui-lo. Vi que era minha oportunidade e resolvi me indicar. E cá estou eu, no Fasano Al Mare, de frente para o mar de Ipanema. Tá certo que não é um quiosque, nem é Copacabana, mas não tenho do que reclamar (risos).

Quais as principais diferenças entre o comensal italiano e o carioca?

Na Itália, mesmo no dia a dia, as pessoas comem uma entrada, um prato de massa e, depois o prato principal, geralmente uma carne. Aqui me deparei com o costume de comer massas e risotos como guarnição. Foi difícil me adaptar.

Qual é o seu maior desafio à frente do Fasano Al Mare?

Estar à frente de uma casa da grife Fasano, com tantos anos de tradição, já é um desafio enorme. Mas manter a excelência e estar à altura do que exige o padrão de qualidade do grupo nos grandes eventos que o Rio irá sediar é meu principal objetivo.

Por fabiocodeco
Publicado em 27 abr 2013, 17h03 – VejaRio

“SOMMELIER MANOEL BEATO”

Manoel Beato é um dos sommeliers mais respeitados do Brasil, sua história no mundo dos vinhos vem de longa data. Completou em Fevereiro de 2017 25 anos como sommelier do restaurante Fasano, o restaurante Italiano mais famoso e premiado do Brasil. A sua história na gastronomia começou quando cursava letras na Unesp, em Assis, interior de São Paulo. Nesta época Manoel começou a trabalhar paralelamente aos estudos como garçom, para conseguir, assim, uma renda extra. Na sequência veio para a capital e foi trabalhar no renomado Maksoud Plaza, que na época tinha o conceituado restaurante francês chamado La Cuisine du Soleil. Em seguida Beato foi para o extinto Saint Germain e, mais tarde, para o Le Bistingo, onde a paixão pelos vinhos se tornou definitiva. A formação como sommelier veio na primeira turma formada pela ABS (Associação Brasileira de Sommeliers). Posteriormente Manoel morou na França para aprimorar os estudos e aprender o idioma francês, o mais importante para o mundo dos vinhos. Durante o período de 25 anos no grupo Fasano Manoel foi inúmeras vezes visitar produtores nas principais regiões do mundo, principalmente na França.

Ao longo de sua carreira Manoel escreveu três livros, Guia Larousse do Vinho, Manoel Beato, Queijos Brasileiros à Mesa e Cachaça. Há sete anos, tem um programa no rádio. Começou como Adega Musical, na Eldorado, e hoje está com Adega no Rádio, na Rádio Estadão. Manoel também é o encarregado de apresentar os Wine Dinners da Clarets, que são os jantares harmonizados mais conceituados do Brasil.

“O CARDÁPIO”
MENU EXCLUSIVO ASSINADO PELO CHEF PAOLO LAVEZZINI.

Entrada:
Caviar Beluga servido em madrepérola, blinis “à la minute” e creme azedo fresco.
Harmonização:
Krug Clos Du Mesnil 2002

Primeiro Prato:
Ravioli de pato real com zimbro silvestre e jerimum crocante.
Harmonização:
Petrus 1975 | Trotanoy 1975

Segundo Prato:
Tagliolini de Campofilone ao ovo, morilles da Borgonha e “riz de veau” glaceadas de vitelo.
Harmonização:
L’Evangile 1982 | Le Gay 1982 | Le Bon Pasteur 1982

Terceiro Prato:
Nobre Risoto Aquerello curado 24 meses com coelho da fazenda “alla Cacciatora”.
Harmonização:
Clinet 1989 | La Conseillante 1989 | L’Eglise Clinet 1989

Quarto Prato:
Tenra codorna recheada com pão de especiarias, lardo de Colonnata e polenta branca com feijão e espinafre.
Harmonização:
La Fleur-Pétrus 1995 | Latour à Pomerol 1995 | Lafleur 1995

Quinto Prato:
Cordeiro braseado por 12 horas, legumes da estação e trufas negras de Norcia, Umbria.
Harmonização:
Le Pin 2000 | Petrus 2000

Finalização:
Seleção de queijos franceses com chutney de manga, mel floral, castanha de Baru do cerrado e torrada de frutas secas.
Harmonização:
D’Yquem 1983

“PETRUS – 1975”

Produtor: Château Petrus

Safra 1975
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot
Álcool 12%
Um dos mais rústicos e poderosos Petrus nos últimos 25 anos, este vinho ainda tem uma cor escura/granada/violeta, um nariz lindo de cerejas pretas, mocha, caramelo, chocolate e uma pitada de ferro e sangue. Corpo cheio, super concentrado, com tanino maciço e extrato, este gigante Petrus pode ser apreciado, mas ainda parece outro 5-10 anos longe da maturidade. É certamente um vinho de 50 a 70 anos, com uma concentração e intensidade requintadas, mas, aparentemente, com as bordas ásperas, que, sem dúvida, serão menos atraentes para quem procura uma perfeita transparência. Talvez essa transparencia aparece com o envelhecer da garrafa.

98+ pontos ROBERT PARKER
Dezembro / 2012

As vinhas de Trotanoy foram plantadas pela primeira vez em 1761. A propriedade foi possuída em seus primeiros anos pela família Giraud, que eram proprietários muito bem sucedidos de terras na margem direita de Bordeaux. No início do século XIX, os vinhos eram vendidos sob o nome de Pomerol Giraud Cru de Trotanoy.

Mesmo naquele momento, o vinho de Trotanoy era muito respeitado. Na verdade, Trotanoy foi considerado um dos melhores vinhos de toda a denominação.

Pouco antes do início do século 20 a propriedade era muito maior do que é hoje. Naquela época, eram aproximadamente 25 hectares, após isto a propriedade foi dividida em diversos lotes, alguns foram vendidos reduzindo consideravelmente o seu tamanho.

Em meados da década de 1940, após o final da Segunda Guerra Mundial, os descendentes diretos da família Giraud venderam o Chateau Trotanoy à família Pecresse. Eles não seguraram a vinha por muito tempo. Em 1953, as vinhas foram adquiridas por Jean-Pierre Moueix, que comprou a propriedade da família Pecresse.

Nos atuais 7,6 hectares de Trotanoy é plantado 90% de Merlot e 10% de Cabernet Franc. Isso mostra um ligeiro aumento na quantidade de Merlot plantada nas vinhas desde meados da década de 1990. O terroir de Trotanoy é rico em argila com cascalho e depósitos de ferro no solo. O melhor terroir de Chateau Trotanoy está situado no platô de Pomerol.

“TROTANOY – 1975”
Produtor: Château Trotanoy

Safra 1975
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 13%
O Trotanoy de 1975 pode ser um vinho extraordinário no dia certo. Este foi o dia certo. Servido cego a partir de uma garrafa magnum, inconsciente de sua idade, fiquei impressionado com a profundidade de sua cor. O buquê é complexo, uma mistura de frutas vermelhas e pretas, trufas pretas (indicando suas origens de Pomerol), sálvia e pétalas de rosa secas. Foi a delineação e a total confiança dos aromáticos que o fazem ser fascinante. O paladar é maravilhosamente estruturado, graças à sua natureza terciária, no entanto, travada com tensão e energia desarmantes do início ao fim. Há uma toque de cereja ácida diretamente sobre o sabor, completando um Trotanoy deslumbrante. Eu duvido que encontrarei novamente um exemplar desse excelente vinho de Pomerol tão bom quanto este novamente.

97 pontos NEAL MARTIN
Fevereiro / 2017

As vinhas de Trotanoy foram plantadas pela primeira vez em 1761. A propriedade foi possuída em seus primeiros anos pela família Giraud, que eram proprietários muito bem sucedidos de terras na margem direita de Bordeaux. No início do século XIX, os vinhos eram vendidos sob o nome de Pomerol Giraud Cru de Trotanoy.

Mesmo naquele momento, o vinho de Trotanoy era muito respeitado. Na verdade, Trotanoy foi considerado um dos melhores vinhos de toda a denominação.

Pouco antes do início do século 20 a propriedade era muito maior do que é hoje. Naquela época, eram aproximadamente 25 hectares, após isto a propriedade foi dividida em diversos lotes, alguns foram vendidos reduzindo consideravelmente o seu tamanho.

Em meados da década de 1940, após o final da Segunda Guerra Mundial, os descendentes diretos da família Giraud venderam o Chateau Trotanoy à família Pecresse. Eles não seguraram a vinha por muito tempo. Em 1953, as vinhas foram adquiridas por Jean-Pierre Moueix, que comprou a propriedade da família Pecresse.

Nos atuais 7,6 hectares de Trotanoy é plantado 90% de Merlot e 10% de Cabernet Franc. Isso mostra um ligeiro aumento na quantidade de Merlot plantada nas vinhas desde meados da década de 1990. O terroir de Trotanoy é rico em argila com cascalho e depósitos de ferro no solo. O melhor terroir de Chateau Trotanoy está situado no platô de Pomerol.

“L’EVANGILE – 1982”
Produtor: Château L’Evangile

Safra 1982
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 13%
Um blockbuster, vinho de ameixa escura e de cor granada, o L’Evangile de 1982 revela um nariz extravagantemente rico de frutos caramelizados, ameixa, alcaçuz, carnes defumadas e caramelo. Este Pomerol opulento e encorpado acaricia o palato com camadas e camadas de glicerina e frutas. O tanino é quase imperceptível neste enorme, rico e lindo esforço. A complexidade do nariz por si só vale um preço de admissão especial. Está perto da maturidade total e é capaz de durar outros 20-25 anos.

98 pontos ROBERT PARKER
Junho / 2009

Chateau L’Evangile tem uma longa história que data de 1741. Foi fundado pela família Leglise que residia em Libourne.

A primeira menção à propriedade de Pomerol foi sob o nome de Domaine de Fazilleau e mais tarde Le Domaine de L’Evangile ou de Fazilleau.

Em 1862, a propriedade foi comprada por Jean Paul Chaperon, que estava relacionado com a bem conhecida e poderosa família Ducasse. Foi Jean Paul Chaperon o responsável por nomear a propriedade, Chateau L’Evangile, do jeito que conhecemos hoje

Em 1900, Chateau L’Evangile foi amplamente considerado entre os melhores vinhos de Pomerol. Para acompanhar o aumento da demanda, Jean Paul Chaperon também conseguiu adicionar vinhas adicionais ao Chateau L’Evangile, aumentando, assim, o tamanho da propriedade.

A família Chaperon manteve-se encarregada do Chateau L’Evangile até a família Ducasse começar a administrar a propriedade. Se o nome de Ducasse lhe parece familiar, seu nome aparece no famoso Chateau Larcis Ducasse, de St. Emilion.

Chateau L’Evangile manteve-se no controle da família Ducasse até 1990, quando Simone Ducasse vendeu uma participação de 70% da propriedade aos proprietários da famosa propriedade First Growth, Pauillac, Chateau Lafite Rothschild, sendo adquirido em sua totalidade pelos mesmos em 1999.

“LE GAY – 1982”
Produtor: Château Le Gay

Safra 1982
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot
Álcool 13,5%
Feito pela mesma equipe que produziu o Lafleur de 1982, este vinho havia sido esquecido na minha adega. Embora seja claro que a nova proprietária, Catherine Pere-Verge, fez alguns vinhos surpreendentes desde 2005 (especialmente o 2008), o 1982 é um vinho mítico . Ainda com uma cor tinta / roxa, possui um extraordinário perfume de flores de primavera misturadas com framboesas pretas, trufas e kirsch. Com corpo cheio de taninos aveludados, o vinho permanece extremamente jovem, com taninos maduros e a sensacional concentração de frutas fazem um vinho notável que deve evoluir por mais 30 anos.

97+ pontos ROBERT PARKER
Junho / 2009

Chateau Le Gay tem uma longa história na denominação Pomerol que data a meados da década de 1850 quando era conhecido como Domaine du Gay.

Em 1872, os proprietários venderam parte da propriedade à família Greloud. Após a Primeira Guerra Mundial, o Chateau Le Gay tornou-se propriedade da família Robin, eventualmente passando para as famosas irmãs Robin em 1946, que também possuíam a lendária propriedade de Chateau Lafleur.

Therese Robin e Marie Robin detiveram e gerenciaram Chateau Le Gay por sessenta anos, durante a maior parte desse tempo, a propriedade foi administrada por Jean Pierre Moueix, responsável pela produção e venda dos vinhos.

Chateau Le Gay foi comprado por Catherine Pere-Verge no final de 2002, por 25 milhões de dólares. Uma das primeiras decisões tomadas pelo novo proprietário era aumentar o tamanho de suas vinhas. Eles fizeram isso plantando 3,4 hectares adicionais de videiras em terra que não estavam sendo usadas. Eles também trouxeram Michel Rolland como seu consultor. Em 2014 as instalações de produção de vinhos do Chateau Le Gay foram completamente renovadas, permitindo mais pacotes por vinificação de encomendas e espaço para mais barris, possibilitando técnicas de micro vinificação para Le Gay e La Violette.

Atualmente o Chateau Le gay possui 10.5 hectares de vinhas plantadas, sendo 90% de Merlot e 10% de Cabernet Franc. A vinha tem um terroir de terra de argila e cascalho no planalto de Pomerol. O seu melhor terroir está situado ao lado de La Fleur-Pétrus.

“LE BON PASTEUR – 1982”
Produtor: Michel Rolland

Safra 1982
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 12,5%
Os poucos críticos que Michel Rolland possui ainda precisam provar esse vinho para entender um vinho que foi fabuloso para beber jovem, que já aos 27 anos continua a se apresentar incrivelmente bem. Um Pomerol clássico, possui uma cor granada escura com apenas um ligeiro alívio na borda, bem como aromas sensacionais de creme brulee, cerejas e groselhas pretas cobertas de chocolate, figos e ameixas, sabores encorpados, poderosos e ricos, e tremenda pureza, opulência. Eu pensei que este 1982 estaria em sua sepultura há uma década, mas continua a mostrar o que o grande equilíbrio e comprimento pode significar em Bordeaux. Deve durar por pelo menos mais 10 anos.

96 pontos ROBERT PARKER
Junho / 2009

A história do Chateau Le Bon Pasteur começou em 1920 quando foi comprada por Joseph e Hermine Dupuy. A pequena casa, que nos dias de hoje é usada como sala de degustação, já estava na propriedade, tendo sido construída em 1865.

A família tirou sua inspiração do próprio nome, que, em tradução livre, significa “o bom pastor”. Nesta época a vinícola praticamente não trazia retorno financeiro, sendo que os proprietários possuíam uma padaria que era a principal fonte de renda. Foram os filhos do casal que passaram a se dedicar em tempo integral e começaram, assim, a história de sucesso e qualidade do Chateau

Em 1978, a família Rolland adquiriu o Chateau Le Bon Pasteur, e o controle passou a ser por conta de Michel e Jean-Daniel Rolland. Isso deu origem à era moderna para Le Bon Pasteur e ao início da carreira para Michel Rolland e Dany Rolland. Em torno da mesma época, abriram suas instalações Rolland Laboratories, que logo se transformaram na consultoria de Michel Rolland.

Michel Rolland e Dany Rolland foram os primeiros consultores a aconselhar os produtores em várias técnicas de gerenciamento de vinhas que foram consideradas as melhores da época.

A propriedade passou por uma enorme mudança em maio de 2013, quando foi vendida para o investidor asiático Sutong Pan.

Atualmente o Chateau Bon Pasteur possui 6,62 hectares de vinhas plantadas, sendo 80% de Merlot e 20% de Cabernet Franc.

“L’EGLISE-CLINET – 1989”
Produtor: Château L’Eglise-Clinet

Safra 1989
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 13,5%
Grande e suculento, com muita fruta madura e taninos bastante aveludados. Completo redondo e maravilhoso. Fantástico. Adorável textura. Sempre uma beleza.

96 pontos WINE SPECTATOR
Fevereiro / 2005

O Château L’Eglise-Clinet de 1989 continua a brilhar aos 27 anos de idade e este foi certamente um exemplo melhor do que vários que eu provei nos últimos dois ou três anos. Tem um nariz muito complexo, baga vermelha, trufa preta, violetas esmagadas e aromas de sálvia, uma pitada de alcatrão quente emergindo com o tempo. O paladar é extremamente bem equilibrado, ainda bastante jovem e estruturado – um Pomerol que você tem que aprender amar. Este exemplar sugere que ainda tem muitos anos a frente ainda. Este foi sempre um vinho brilhante de Denis Durantou, um Pomerol autentico feito.

93 pontos NEAL MARTIN
Julho / 2016

O Chateau L’Eglise Clinet tem uma longa história na denominação Pomerol. Ele data de 1803, quando Jean Rouchut comprou algumas das terras que viriam a se tornar o L’Eglise Clinet.

A primeira seção de terras da vinha está localizada perto de onde a adega fica hoje, adjacente ao cemitério. O próximo passo no desenvolvimento da propriedade ocorreu em 1882, quando a família comprou terreno vitivinícola da família Constant, os proprietários da propriedade vizinha, o Domaine de Clinet. Essa terra adicional marcou a criação oficial de Clos L’Eglise-Clinet.

As duas famílias concordaram em juntar-se e formar uma parceria para produzir o vinho juntas. As famílias eram Mauleon Rouchut de Clos lEglise e a família Constant, os proprietários do que mais tarde se tornou o Chateau Clinet.

A partir desse ponto, até a década de 1950, seu vinho de Bordeaux foi vendido sob o nome de Clos L’Eglise-Clinet, sendo 1954 o ano oficial onde o vinho foi chamado Clos l’Eglise-Clinet.

Denis Durantou assumiu Chateau L’Eglise Clinet em 1983. Nos primeiros anos, não foi fácil administrar a propriedade, uma vez que teve que renovar todas as adegas da propriedade. Atualmente, é uma das referencias em qualidade de Pomerol.

A vinha de 11,27 hectares de Chateau Clinet é composta por 80% de Merlot, e 20% de Cabernet Franc.

O rótulo do vinho da família Nicolas retrata um escudo junto com uma borda prateada que circunda a letra “N”. O design original para o rótulo de Chateau La Conseillante foi criado em 1871, no mesmo ano em que a família comprou a propriedade.

Os vinhedos que ocupam os 12.3 hectares do Chateau La Conseillante permaneceram essencialmente inalterados desde o início dos anos 1700. A plantação de uvas na propriedade é de 80% Merlot e 20% Cabernet Franc.

“LA FLEUR-PÉTRUS – 1995”
Produtor: Château La Fleur-Pétrus

Safra 1989
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 12,5%
Deslumbrante desde o nascimento, o 1995 não perdeu nada desde o engarrafamento. Uma cor violeta escuro e saturada sugere um vinho de profundidade e concentração consideráveis. O nariz oferece belos aromas de doce kirsch misturados com notas de framboesa, minerais. Com corpo cheio, com excelente riqueza e pureza, cargas de tanino e uma personalidade em camadas e multidimensional, este fantástico La Fleur-Petrus é o melhor vinho que eu provei nesta propriedade nos vinte anos que visitei Bordeaux. Os leitores podem lembrar que eu anteriormente relatei que uma parta de videira de 10 acres de Le Gay foi vendido para La Fleur-Petrus, aumentando o vinhedo do último para 33 hectares. Eu acredito que esta aquisição de 10 hectares reforçou La Fleur-Petrus, um fato particularmente evidente neste 1995. É um esforço esplêndido!

93 pontos ROBERT PARKER
Fevereiro / 1998

O chateau La Fleur-Pétrus leva o nome de seus vizinhos mais próximos. A vinha está situada a poucos passos de Petrus, pode-se caminhar também até Chateau Lafleur, pois também faz divisa com as vinhas em La Fleur Petrus.

No ano 1953, Jean-Pierre Moueix comprou a Chateau La Fleur-Pétrus da família Garret. Antes de ser vendida para Moueix, o Chateau La Fleur-Pétrus era propriedade de inúmeros proprietários, inclusive da família Arnaud, que também era proprietária do Chateau Petrus.

Voltando até o final dos anos 1800, Chateau La Fleur Petrus já ganhava uma bem merecida boa reputação no final do século 19, quando pertencia à família Constant.

A família Constant estava bem estabelecida em Pomerol, pois também possuíam a bem conhecida e respeitada propriedade de Chateau Clinet. Na época, nos primeiros anos da propriedade, os vinhos eram vendidos sob o nome Petrus Lafleur. Petrus Lafleur eventualmente passou para a família Pineau, sendo sob sua administração que passou a ser chamado La Fleur-Pétrus.

O Chateau La Fleur-Pétrus aumentou sua propriedade em 1994, quando adicionaram 4 hectares de videiras antigas aos seus vinhedos Pomerol. Estas vinhas foram obtidas mais uma vez de seu famoso vizinho, Chateau Le Gay.

As vinha do Chateau La Fleur Petrus ocupam 18,7 hectares e é ocupada por uma plantação de 91% de Merlot, 6% de Cabernet Franc e 3% de Petit Verdot.

“LATOUR À POMEROL – 1995”
Produtor: Château Latour à Pomerol

Safra 1995
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot | Cabernet Franc
Álcool 13%
Provado em uma vertical de Latour à Pomerol em Londres. De volta a 1998, Robert Parker dizia “vários anos na garrafa podem resultar em um excelente e talvez excepcional Latour à Pomerol”. Bem, ele estava certo. O Latour à Pomerol de 1995 floresceu em um excelente vinho. Inicialmente, parece um pouco comum no nariz, mas não seja enganado, pois se desenrola e oferece notas adoráveis ​​de tabaco e cedro que podem levá-lo a Pessac-Léognan em vez de Pomerol. O paladar é muito bem proporcionado, bastante estruturado para 1995 com muito mais corpo e substância do que o homólogo de 1996. As notas de iodo varrem os sentidos para o acabamento que novamente, você está pensando em ser Pessac-Léognan. Seja como for, é um impressionante Pomerol.

93+ pontos NEAL MARTIN
Outubro / 2016
Fevereiro / 1998

Chateau Latour à Pomerol tem uma longa história na região que data dos finais dos anos 1800 quando o vinho foi vendido sob o nome de La-Tour-Pomerol. Está localizado próximo ao Chateau Clinet e Chateau Trotanoy.

Chateau Latour à Pomerol, em seus primeiros dias, era propriedade da família Garitey antes de ser passado para Madame Loubat, que também foi dona do Chateau Petrus. Madame Loubat permaneceu o dona de Chateau Latour à Pomerol até sua morte em 1961, quando foi entao passada para sua sobrinha Lily Lacoste. Apesar de ser administrado pela Família Moueix nos dias atuais, a propriedade pertence a uma instituição de caridade chamada Foyers de Charite de Chateauneuf de Galaure, doada pela família Lacoste no ano de 2002.

O Latour à Pomerol produziu alguns dos vinhos mais lendários do século XX como as safras 1947, 1950, 1959, 1961.

Os 7.9 hectares dos vinhedos do Chateau Latour à Pomerol é composto por 90% de Merlot e 10% de Cabernet Franc.. O terroir é cascalho, argila e solo arenoso.

“LAFLEUR – 1995”
Produtor: Château Lafleur

Safra 2000
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot
Álcool 13%
Provado na degustação da agência Justerini & Brooks em Londres. Até este momento, experimentei o Château Lafleur 1995 duas vezes e está rapidamente se tornando o meu vinho favorito daquela década, juntamente com a safra 1998. Ao contrário da safra 2000, este está atingindo seu patamar de maturidade após 20 anos, embora ele permaneça há muitos anos. Tem um buquê sensual com uma definição maravilhosa: amora, gordura de bacon, aromas de cascalho quente abundam e depois de 30-40 minutos um raminho de hortelã selvagem, cativante. É um grande Lafleur no nariz. O palato é de corpo médio com taninos finos, embora eles não sejam tão filigranados e finamente cinzelados quanto o 2000. Existe uma profundidade inquestionavelmente imensa aqui com frutas pretas terciárias, fumaça e trufa preta com uma acabamento impecável. Este é apenas um excelente Lafleur com uma longa e próspera vida à frente.

96 pontos NEAL MARTIN
Junho / 2016

A História do Chateau Lafleur remonta a 1872. Naquela época, Henri Greloud, dono do Chateau Le Gay, comprou os vinhedos que acabariam se tornando o Chateau Lafleur.

Pouco depois da formação do Chateau Lafleur, a extraordinária qualidade dos vinhos rapidamente ganhou conhecimento. Em 1893, foi considerado o terceiro melhor vinho da denominação Pomerol.

Em 1900, Charles Greloud, filho de Henri, herdou Chateau Lafleur. Em 1915, a propriedade de Pomerol foi comprada por Andre Robin, que também obteve o Chateau Le Gay na mesma transação. A família Robin conhecia a qualidade do vinho produzido no Chateau Lafleur.

Andre Robin era casado com Gabrielle Greloud, a neta de Henri. Therese e Marie Robin assumiram a gestão da propriedade em 1946.

As irmãs dedicaram toda sua vida a manter o vinhedo do Chateau Lafleur intacto e produzir um dos melhores vinhos de Bordeaux. Uma das primeiras mudanças que a família Robin fez no Chateau Lafleur estava nas vinhas. Em algum momento no início da década de 1920 eles removeram toda plantação de Malbec feita em outra época.

Em 1984, depois que Therese Robin morreu, Jacques e Sylvie Guinaudeau, bisnetos de Henri Greloud fizeram providências para arrendar Chateau Lafleur de Marie Robin, a irmã sobrevivente. Eles começaram a restaurar o Chateau Lafleur para sua antiga glória, começando pela substituição das videiras desaparecidas.

Marie Robin faleceu em 2001. Guinaudeau conseguiu adquirir as restantes ações de Chateau Lafleur. Mais tarde naquele ano, seu filho Baptiste Guinaudeau e sua esposa, Julie Guinaudeau, se juntaram a eles no Chateau Lafleur. Desde então, os vinhos de Lafleur recebem cada vez mais avaliações positivas.

A propriedade conta com 3,75 hectares com solos de argila e cascalho e arenoso plantados com 50% de Cabernet Franc e 50% de Merlot.

“LE PIN – 2000”
Produtor: Château Le Pin

Safra 2000
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot
Álcool 13%
Exótico, opulento, extravagante e impossível de resistir, o Le Pin 2000 é um exemplo explosivo e praticamente perfeito desta propriedade. Densa de cor violeta, com níveis luxuosos de extrato e riqueza, este Pomerol intenso, com textura untuosa e cheia de frutas preta é grosso o suficiente para beber com uma colher. Revelando tanino abundante e definição para um jovem Le Pin, é típico de muitos dos blockbusters do ano 2000 em Pomerol. É um ótimo vinho para os multi-milionários que conseguirem comprar algumas garrafas.

98 pontos ROBERT PARKER
Abril / 2003

O Le Pin é um dos melhores e mais caros vinhos de Bordeaux, e também do mundo. Sua primeira safra foi a de 1979.

Desde 1924, o que conhecemos como Chateau Le Pin foi propriedade da família Loubie. As uvas foram vendidas ou misturadas para produzir outros vinhos de Pomerol, finos, porém indistintos, até 1978.

Essa história mudou no ano de 1979. No início, pensava-se que as vinhas de Chateau Le Pin passariam a fazer parte do Vieux Chateau Certan. Mas essa idéia desapareceu rapidamente. O preço da terra era alto naqueles dias para adicioná-lo ao Vieux Chateau Certan.

Leon Thienpont, o pai de Alexandre Thienpont, falou com Jacques Thienpont sobre a compra da propriedade de 2 hectares por um milhão de francos franceses. Mesmo com o alto valor para a época, efetuaram a compra, nascia assim o Le Pin.

O Château Le Pin é considerado o precursor dos “vinhos de garagem”, embora essa idéia seja rejeitada por muitos, inclusive pelos proprietários. As coisas mudaram rapidamente para Jacques Thienpont e para o Le Pin depois que Robert Parker deu elogios efusivos pelo vinho da safra de 1982. A partir desse ponto, o Le Pin tornou-se objeto de desejo e seu alto preço deixou de ser um obstáculo para suas vendas.

Ocasionalmente, o vinho mais caro do mundo, continuamente recebendo altas classificações de críticos de vinho e produzido em números extremamente pequenos, as garrafas de Le Pin são uma presença constante no mercado de leilões de vinho.

Os vinhedos se estendem por cerca de 5 acres (2,0 ha) de cascalho arenoso no solo, em uma pedra rochosa, vinhedo 100% Merlot, e vinhas com média de 38 anos de idade. Anualmente, 600 a 700 caixas são produzidas.

“PETRUS – 2000”
Produtor: Château Petrus

Safra 2000
País França
Região Bordeaux
Sub-Região/Apelação Pomerol
Uvas Merlot
Álcool 13,5%
Um prodígio Petrus, esse vinho tem um nível extra de intensidade e complexidade que é monumental. A magia é claramente Petrus, e o 2000 sempre será uma safra interessante para se comparar com outra lenda em construção, o 1998, ou mais recentemente, é claro, o 2005, 2008 e 2009. Extremamente encorpado, com ótima fruta pureza, uma nota inconfundível de mato, trufa preta, cerejas pretas intensas, alcaçuz e amoreira, o vinho parece não mostrar nenhuma evidência de carvalho. Tem uma textura sumptuosa e untuosa, muito tanino, mas também vibração e brilho. Este é um vinho notável que parece um pouco mais estruturado e maciço do que o de 1998.. Este vinho precisa de pelo menos mais 5-10 anos de adega e deve envelhecer por mais de 50 anos.

100 pontos ROBERT PARKER
Junho / 2010

Pesquisas mostram que os registros mais antigos sobre a história de Petrus vão até meados da década de 1750, tornando-se um dos primeiros vinhedos estabelecidos em Pomerol.

A primeira referência que se possui é uma transação com Jacques Meyraud quando ele comprou uma propriedade vinícola em Pomerol localizada em Gazin. Algumas centenas de anos depois, o Chateau Gazin voltou a vender algumas de suas melhores terras para o Chateau Petrus.

Petrus compartilha seu nome com sua localização, a colina de Petrus. No entanto, há um lado mais histórico para o nome de Petrus. Durante os tempos dos romanos antigos, a propriedade era propriedade de um romano chamado Petrus. O logotipo do vinho encontrou sua inspiração na versão grega de São Pedro, “Petros”

A propriedade foi mais tarde vendida para Antoine Arnaud no ano de 1770. Por mais de um século, a família Arnaud manteve a posse da propriedade. Naquela época, o pequeno castelo era amplamente conhecido como Petrus (Arnaud). Durante a década de 1940, Madame Loubat entrou em contrato com Jean-Pierre Moueix para lidar com a produção e distribuição de seu vinho. Foi a combinação de Loubat e Moueix que realmente deu a Petrus o status inigualável que tem hoje. Ambos sabiam que Petrus produzia o melhor vinho em toda a denominação.

A propriedade foi mais tarde vendida para Antoine Arnaud no ano de 1770. Por mais de um século, a família Arnaud manteve a posse da propriedade. Naquela época, o pequeno castelo era amplamente conhecido como Petrus (Arnaud). Durante a década de 1940, Madame Loubat entrou em contrato com Jean-Pierre Moueix para lidar com a produção e distribuição de seu vinho. Foi a combinação de Loubat e Moueix que realmente deu a Petrus o status inigualável que tem hoje. Ambos sabiam que Petrus produzia o melhor vinho em toda a denominação.

Em 1964, M. Lignac vendeu sua parcela de Petrus a Jean-Pierre Moueixm ocorrendo outra importante mudança. Jean Claude Berrouet juntou-se à equipe em Petrus, onde permaneceu até 2008, quando seu filho, Olivier Berrouet, assumiu o controle dele. Jean Claude Berrouet foi responsável fazer os vinhos para todo o portfólio da Moueix.

Em 1969, Jean-François Moueix, o filho mais velho de Jean-Pierre, comprou as restantes ações de Mme Lily Lacoste. Naquele mesmo ano, ele providenciou a compra de 5 hectares de alguns dos melhores vinhedos de propriedade da Gazin. Esta foi uma das grandes compras em todo o Pomerol, pois permitiu que Petrus aumentasse o tamanho de suas vinhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

X
Menu